O que muda no Django 1.5

O que muda no Django 1.5No último dia 26 de fevereiro foi lançada a versão 1.5 do framework Django. Ainda não tive a oportunidade de instalar e testar todos os detalhes, mas de acordo com as informações das notas de versão, as principais novidades são as seguintes:

Modelo User configurável

A maior mudança nesta nova versão é a possibilidade de personalizar o modelo User do Django. Antes da versão 1.5, as aplicações que precisassem usar o framework de autenticação do Django eram forçadas a usar a sua definição de “usuário”. Agora é possível substituir o modelo User por outro escrito pelo desenvolvedor.

Algumas vantagens de poder criar seu próprio User são o fim da limitação de 30 caracteres para o atributo username e a possibilidade de criar mais atributos personalizados para o perfil do usuário, por exemplo.

Para facilitar a implementação, está disponível a classe AbstractBaseUser , que fornece a implementação do núcleo de um User customizado.

Também é necessário indicar para a aplicação qual a classe que representa o seu modelo User. Para isso, deve-se fornecer um valor para o atributo da configuração AUTH_USER_MODEL no settings.py. Por exemplo:

AUTH_USER_MODEL = 'myapp.MyUser'

Mais detalhes sobre a personalização do modelo User podem ser consultados na documentação oficial.

Suporte a Python 3

Outra novidade importante é o suporte a Python 3 (especificamente Python 3.2 e acima). Segundo os desenvolvedores, por enquanto este suporte deve ser considerado experimental, pois apesar de ter passado por testes automatizados extensivos, ainda não existiram muitas situações do “mundo real” para colocá-lo à prova. Além disso, alguns recursos não estão disponíveis para Python 3, tais como o backend para MySQL, o ImageField e o LiveServerTestCase. Isso se deve à dependência de componentes de software de terceiros (PIL, Selenium WebDriver etc.) que ainda não foram portados para Python 3.

Suporte a persistência de subconjuntos de campos de um modelo

Foi incluído o novo argumento update_fields no método Model.save(). Com ele é possível salvar apenas um subconjunto dos campos de um modelo. Esse recurso pode ser útil por motivos de desempenho ou para evitar sobrescrever mudanças concorrentes.

Instâncias de modelos relacionados passam a ficar em cache

O ORM do Django passa a evitar que uma nova consulta SQL seja disparada nos casos em que seja invocada uma instância de um modelo que possui relacionamento com outro que já foi recuperado do banco. Para exemplificar, na linha 3 do exemplo abaixo já não é mais necessária uma ida ao banco para recuperar first_choice.poll:

>>> first_poll = Poll.objects.all()[0]
>>> first_choice = first_poll.choice_set.all()[0]
>>> first_choice.poll is first_poll
True

Tag {% verbatim %}

Esta tag evita que o conteúdo do bloco seja renderizado. É útil nos casos em que, por exemplo, queremos evitar um trecho de código Javascript que conflita com a sintaxe do template seja renderizado.

{% verbatim %}
{{if dying}}Still alive.{{/if}}
{% endverbatim %}

Existem ainda muitas outras mudanças nessa nova versão do Django, incluindo algumas incompatibilidades com versões anteriores, para as quais vale a pena ficar atento antes de disponibilizar suas aplicações.

Referência: Django 1.5 release notes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s